Página Inicial

Um novo conceito de Nutrição: nutrientes que atuam célula a célula

Um novo conceito de Nutrição: nutrientes que atuam célula a célula

Nutrição no envelhecimento:

A redução das funções do organismo não está somente relacionada ao processo de envelhecimento, mas também a fatores externos como hábitos de vida, incluindo uma alimentação adequada.

A ingestão de alguns nutrientes vem sendo sugerida há algum tempo como fator chave na nutrição durante o envelhecimento e a manutenção de certos metabolismos, como ósseo e muscular. Dentre eles, podemos destacar os aminoácidos Glutamato, Glicina e Cisteína. Esses aminoácidos compõem a Glutationa, o principal antioxidante intracelular. A Glutationa é produzida dentro das células para exercer sua função adequadamente e promover a proteção celular, de dentro para fora. No entanto, seus precursores Glicina e Cisteina estão frequentemente reduzidos em idosos, podendo levar a deficiência de Glutationa.

Nutrição celular:

O nosso corpo é formado por trilhões de células que necessitam de nutrientes para que seu funcionamento e metabolismo ocorram normalmente.

A nutrição pode oferecer às células nutrientes essenciais, tais como vitaminas, minerais e aminoácidos que possuem evidencias clinicas que podem auxiliar a função e proteção celular, especialmente contra o estresse oxidativo (acúmulo de moléculas tóxicas ao organismo).

Dentre eles, podemos destacaros aminoácidos Glutamato, Glicina e Cisteina. Esses aminoácidos compõem a Glutationa, o principal antioxidantes intracelular. A Glutationa é produzida dentro das células para exercer sua função adequadamente e promover a proteção celular, de dentro para fora. No entanto, seus precursores Glicina e Cisteina estão frequentemente reduzidos em idosos, podendo levar a deficiência de Glutationa.

Algumas vitaminas e minerais também atuam diretamente na célula contra os radicais livres, com função antioxidante. Entre elas, podemos destacar as vitaminas do complexo B, Vitaminas C e E, além dos minerais Zinco e Selenio.

Referências:

1 - BARROS, C. R.; CATANIA, A. S.; FERREIRA, S. R. G. Vitaminas e minerais com propriedades antioxidantes e risco cardiometabólico: controvérsias e perspectivas. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia Metabólica, São Paulo, v. 53, n. 5, p.550-559, jun. 2009.

2 - BUSNELLO, F. M.. Aspectos Nutricionais no Processo do Envelhecimento. São Paulo: Atheneu, 2007.

3 - COZZOLINO, S. M. F.; COMINETTI, C. Bases bioquimicas e fisiologicas da nutrição nas diferentes fases da vida, na saúde e na doença. São Paulo: Manole, 2013.

4 - DRAUZIO, Varella. Deficiência de B12. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/drauzio/artigos/deficiencia-de-b12/. Acesso em: 30 de julho de 2019.

5 - ESKINAZI, F. M. V. et al. Envelhecimento e a Epidemia da Obesidade. Unopar Científica Ciências Biológicas e da Saúde, Pernambuco, v. 1, n. 13, p.295-298, fev. 2011.

6 - INTERNATIONAL LIFE SCIENCES INSTITUTE. Aminoácidos. Disponível em: http://ilsibrasil.org/wp-content/uploads/sites/9/2016/08/Aminoacidos_vers%C3%A3o-online.pdf. Acesso em: 31 de julho de 2019.

7 - PETRY, E. R et al . Suplementações nutricionais e estresse oxidativo: implicações na atividade física e do esporte. Rev Bras. Cien, Florianópolis, v.35, n. 4, p.1071- 1092, dez de 2013.

8 - PORFÍRIO, Elisângela; FANARO, Gustavo Bernardes. Suplementação com colágeno como terapia complementar na prevenção e tratamento de osteoporose e osteoartrite: uma revisão sistemática. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, Rio de Janeiro, p.153-163, 2016.

9 - SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. Envelhecimento. Disponível em: https://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/envelhecimento/4/. Acesso em: 30 de julho de 2019.

10 - STONOGA, E. T. S. et al. Efeitos da glutamina intraperitoneal no tratamento de sepse experimental. Arq Bras Cir, Paraná, v.32, n.2, p. 1-4, jan de 2019.

11 - SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA: Envelhecimento. Disponível em: https://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/envelhecimento/4/ BARBON, F. J; WIETHÖLTER, P; FLORES, R. A: Alterações Celulares no Envelhecimento Humano. DOI: 10.18256/2238-510X/j.oralinvestigations.v5n1p61-65

Gostou das dicas? Descubra outros artigos de Celltrient. Para acessar, clique aqui.

Veja também