Página Inicial

Quais nutrientes específicos podem dar suporte a um sistema imune saudável?

Nutrientes envelhecimento saudável

Quais nutrientes específicos podem dar suporte a um sistema imune saudável?

Apresentamos aqui uma lista dos nutrientes específicos que ajudam a manter em boas condições as funções vitais de seu sistema imune:

Probióticos

A ingestão de certas quantidades de probióticos é uma forma eficiente de contribuir para a saúde do intestino e do sistema imune. Se, no entanto, você não puder obter o volume suficiente de probióticos apenas através do consumo de alimentos fermentados, os suplementos de probióticos podem auxiliar a suprir essa deficiência.

Vitamina C

A vitamina C é um importante antioxidante que auxilia na prevenção contra danos oxidativos e combate dos radicais livres. É possível contribuir para a resposta imune natural de seu corpo e promoção do suporte de suas células imunológicas ao garantir a ingestão de níveis saudáveis de vitamina C.

Vitamina D

A vitamina D desempenha um papel essencial em muitos aspectos de sua saúde, como a modulação das funções do sistema imune. O aspecto mais importante diz respeito aos níveis suficientes de vitamina D que ajudam a reduzir a vulnerabilidade às infecções respiratórias.

Infelizmente, com o avançar da idade, é frequente que muitos indivíduos apresentem uma deficiência desse nutriente. Tal fato torna a vitamina D especialmente importante como suplemento para ajudar na proteção e no combate às infecções pelo organismo.

Vitamina E

A vitamina E ajuda alertando o organismo sobre a presença de patógenos e promove a resposta dos anticorpos, além de constituir outro nutriente necessário, tornando seu corpo capaz de produzir glutationa, o principal antioxidante do organismo

Além disso, a vitamina E auxilia no controle das inflamações e na proteção das células contruibuindo para a redução dos danos causados pelos radicais livres.

Zinco

O zinco é um mineral essencial que auxilia a comunicação entre as células e dá suporte à atividade das células T, cuja função é eliminar as células danificadas de seu corpo.

Você pode apresentar deficiência de zinco com o envelhecimento porque seu corpo passa a perder a capacidade de absorver com eficácia esse mineral. A redução da absorção gera suporte deficiente às células imunológicas. É, portanto, especialmente vital para os indivíduos mais idosos a ingestão adequada desse nutriente essencial.

É importante saber, porém, que a ingestão excessiva de zinco pode inibir a absorção de cobre no organismo. Assim, o equilíbrio do consumo desses dois minerais é indispensável.

Selênio

O selênio auxilia no suporte à resposta imune do organismo e compensa os efeitos prejudiciais do estresse oxidativo. Assim como o zinco, o selênio também contribui para o aumento da atividade das células T, e isso ajuda a estimular seu sistema imune.

Esse antioxidante pode também auxiliar na redução das inflamações e funcionamento normal do sistema imune, além de ser essencial na manutenção de níveis saudáveis de glutationa no organismo.

N-acetilcisteína (NAC) e glicina

A N-acetilcisteína (NAC) é uma forma altamente absorvível do aminoácido cisteína. Tem sido usada há décadas, por suas fortes evidencias de redução dos sintomas de infecções virais. A presença de níveis ideais de cisteína e de glicina no organismo é essencial a uma função imunológica saudável. Os indivíduos mais idosos, contudo, apresentam com frequência a deficiência de cisteína e de glicina, embora ambas sejam necessárias à formação de glutationa, antioxidante protetor das células.

Estudos já demonstraram que a suplementação de NAC pode reduzir a duração e a gravidade dos sintomas de doenças respiratórias, suprimir a propagação do vírus através do corpo e inibir reações inflamatórias dos pulmões. As pesquisas também sugerem que os suplementos de glicina, em conjunto com o uso de NAC, têm a capacidade de normalizar os níveis de glutationa, auxiliando na restauração da proteção natural do organismo.

Referências:

1. Sivakumar D, Chen L, Sultanbawa Y. A comprehensive review on beneficial dietary phytochemicals in common traditional Southern African leafy vegetables. Food Sci Nutr. 2018;6(4):714-727.

2. Li P, et al. Amino acids and immune function. Br J Nutr. 2007;98(2):237-52.

3. Alvarez-Curto E, Milligan G. Metabolism meets immunity: The role of free fatty acid receptors in the immune system. Biochemical Pharmacology. 2016;114:3-13.

4 - Gut Microbiota For Health by ESNM. Your guide to the difference between fermented foods and probiotics . Disponível em: https://www.gutmicrobiotaforhealth.com/guide-difference-fermented-foods-probiotics/. Acesso em: 13 de abril de 2020.

5. Carr AC, Maggini S. Vitamin C and Immune Function. Nutrients. 2017;9(11):1211.

Gostou das dicas? Descubra outros artigos de Celltrient. Para acessar, clique aqui.

Veja também