Página Inicial

O que acontece quando há deficiência de glutationa?

Exercícios físicos envelhecimento celular

Um dos principais riscos da redução dos níveis de glutationa é o envelhecimento celular. Com frequência, esses níveis continuam a diminuir à medida que envelhecemos. Pesquisas indicam que essa redução geralmente começa aos 40 anos de idade.

Além da idade, outros fatores impactam os níveis de glutationa e provocam deficiências, inclusive:

  • Exposição ambiental à poluição, aos metais pesados, à fumaça e à radiação UV
  • Dieta inadequada, uso excessivo de álcool e sedentarismo
  • Condições genéticas
  • Uso crônico de múltiplos medicamentos

Um número cada vez maior de estudos demonstra que a deficiência de glutationa está associada a diversas doenças e à perda de função com a idade. Dessa forma, garantir níveis adequados de glutationa é um fator importante para determinar um envelhecimento mais saudável.

Como aumentar os níveis de glutationa?

No organismo, a capacidade de produção de glutationa depende da presença de quantidades suficientes dos aminoácidos cisteína, glicina e ácido glutâmico.

É importante salientar que os adultos mais velhos frequentemente apresentam níveis reduzidos dos pilares glicina e cisteína, necessários para produzir glutationa, além de menor capacidade de reciclar a glutationa existente. Em conjunto, tem-se o impacto de níveis elevados de radicais livres, toxinas e estresse oxidativo. Assim, fica claro que pode ser difícil recuperar os níveis saudáveis dessa substância.

A boa notícia é que há formas naturais de aumentar os níveis desse antioxidante, e você pode ajudar seu organismo a produzir e reciclar glutationa. Abaixo, encontrará uma lista de cinco hábitos úteis que podem ajudar a aumentar os níveis dessa substância:

1. Alimentação

Seu corpo não é capaz de produzir glutationa sem glicina, cisteína e ácido glutâmico. Dessa forma, é importante ingerir alimentos que contenham esses aminoácidos.

Além disso, considere incluir em sua alimentação, maiores quantidades de:

  • Alimentos ricos em enxofre, como alho, cebola, couve e rabanete, e vegetais crucíferos, como brócolis, repolho e couve-de-bruxelas
  • Alimentos ricos em vitamina B, como abacate, beterraba, espinafre, aspargos e fígado
  • Diversas ervas e especiarias, como alecrim, cúrcuma
  • Alimentos ricos em ácidos graxos ômega 3, como salmão
  • Proteína do soro do leite
  • Chá verde

Além desses alimentos, você também pode considerar a suplementação de sua dieta com glicina e N-acetilcisteína (GliNAC) para promover a otimização da produção de glutationa. A suplementação desses dois aminoácidos é suficiente para maior estímulo de síntese da glutationa, uma vez que o ácido glutâmico já é produzido em quantidades suficientes pelo organismo.

2. Exercícios

Em geral, praticar atividades físicas é bom para a saúde, e uma quantidade moderada de exercícios estimula o corpo a produzir mais glutationa. A prática de exercícios regulares de intensidade moderada pode oferecer o maior benefício.             

3. Sono

O sono tem qualidade restauradora, e o fato de não dormir o suficiente impacta sua saúde. Ainda não se sabe exatamente até que ponto a falta de sono impacta a glutationa. Entretanto, estudos apontam que a duração inadequada do sono aumenta o estresse oxidativo, reduzindo significativamente os níveis de glutationa.

4. Meditação

A inclusão da meditação em sua rotina pode aumentar os níveis de glutationa. Um estudo demonstra que os indivíduos que meditam apresentam níveis 20% mais elevados de glutationa.

5. Suplemento

Os suplementos constituem uma ótima maneira de oferecer ao corpo exatamente o que ele precisa para produzir e reciclar glutationa. Entretanto, a quantidade e a forma dos suplementos podem ser determinantes para garantir que o organismo receba o que é capaz de usar.

O problema dos suplementos para aumentar os níveis de glutationa é o fato de que esse antioxidante deve ser produzido dentro das células. Um suplemento oral de glutationa seria digerido no intestino e metabolizado em aminoácidos. Considerando-se que os adultos mais velhos apresentam deficiência de glicina e cisteína, a suplementação de uma combinação desses aminoácidos numa forma altamente absorvível é bastante promissora.

As pesquisas sugerem que os suplementos desenvolvidos para normalizar os níveis de glutationa e recuperar a proteção natural do corpo devem incluir a seguinte combinação:

  • Glicina e N-acetilcisteína (NAC), uma forma de cisteína altamente absorvível.
    • Essa combinação é especialmente importante para os adultos mais velhos porque frequentemente essa população apresenta deficiência de cisteína e glicina, necessárias para produzir glutationa.
  • Vitamina B2 e selênio que auxiliam o organismo a produzir glutationa.
  • Vitaminas C e E para ajudar a manter o nível atual de glutationa reduzida.
  • Zinco para ajudar o organismo a reduzir o estresse oxidativo em geral.

Referências:

1 - Pizzorno J. Glutathione!. Integr Med (Encinitas). 2014;13(1):8-12.

2 - Ly J, et al. Liposomal Glutathione Supplementation Restores TH1 Cytokine Response to Mycobacterium tuberculosis Infection in HIV-Infected Individuals. J Interferon Cytokine Res. 2015;35(11):875-87.

3 - Sekhar RV. (2019) Oxidation Damage Accumulation Aging Theory (The Novel Role of Glutathione). In: Gu D., Dupre M. (eds) Encyclopedia of Gerontology and Population Aging. Springer, Cham.

4 - Lobo V, et al. Free radicals, antioxidants and functional foods: Impact on human health. Pharmacogn Rev. 2010;4(8):118-26.

5 - Marí M, et al. Mitochondrial glutathione, a key survival antioxidant. Antioxid Redox Signal. 2009;11(11):2685-700.

6 - Pérez LM, et al. Glutathione Serum Levels and Rate of Multimorbidity Development in Older Adults. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2019;XX(XX):1-6.

7 - Cascella R, et al. S-linolenoyl glutathione intake extends life-span and stress resistance via Sir-2.1 upregulation in Caenorhabditis elegans. Free Radic Biol Med. 2014;73:127-35.

8 - Maddineni S, et al. Methionine restriction affects oxidative stress and glutathione-related redox pathways in the rat. Exp Biol Med (Maywood). 2013;238(4):392-9.

9 - Teixeira FK, et al. Multigene families encode the major enzymes of antioxidant metabolism in Eucalyptus grandis L. Genetics and Molecular Biology. 2005;28(3 Suppl):529-38.

10 - Sekhar RV. (2019) Human Aging, Mitochondrial and Metabolic Defects (The Novel Protective Role of Glutathione). In: Gu D., Dupre M. (eds) Encyclopedia of Gerontology and Population Aging. Springer, Cham.

11 - Ballatori N, et al. Glutathione dysregulation and the etiology and progression of human diseases. Biol Chem. 2009;390(3):191-214.

12 - Pastori D, et al. Aging‐Related Decline of Glutathione Peroxidase 3 and Risk of Cardiovascular Events in Patients With Atrial Fibrillation. Journal of the American Heart Association. 2016;5(9):e003682.

13 - Maurya PK, Rizvi SI. Age-dependent changes in glutathione-s-transferase: correlation with total plasma antioxidant potential and red cell intracellular glutathione. Indian J Clin Biochem. 2010;25(4):398-400.

14 - Minich DM, Brown BI. A Review of Dietary (Phyto)Nutrients for Glutathione Support. Nutrients. 2019;11(9):2073.

15 - Alway SE, et al. Resveratrol Enhances Exercise-Induced Cellular and Functional Adaptations of Skeletal Muscle in Older Men and Women, The Journals of Gerontology: Series A. 2017;72(12):1595-606.

16 - Gulec M, et al. Oxidative stress in patients with primary insomnia. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry. 2012;37(2):247-51.

17 - Duffy SL, et al. Association of Anterior Cingulate Glutathione with Sleep Apnea in Older Adults At-Risk for Dementia. Sleep. 2016;39(4):899-906.

18 - Sharma H, et al. Gene expression profiling in practitioners of Sudarshan Kriya. J Psychosom Res. 2008;64(2):213-8.

Gostou das dicas? Descubra outros artigos de Celltrient. Para acessar, clique aqui.

Veja também